Para MIM ou para EU

 

 

 

 

capitaooo

Quem nunca ouviu falar do Capitão Caverna (ilustrado acima)? Além de empunhar seu tacape e gritar “Capitão Caveeeeeeeeeeeeeeeeerrrrnaaaaaaaaaa”, este famoso personagem de desenho animado vivia trocando o eu pelo mim. “É pra mim fazer”, “pra mim pegar”…

Afinal de contas, quando usamos o eu e o mim? Que dúvida cruel…

A seguir, traremos explicações encontradas nas gramáticas da norma culta da língua portuguesa. Mas, para facilitar a coisa, preste atenção no macete abaixo:

O EU só trabalha e o MIM só recebe.

 

 

O livro é para eu ler. A tarefa é para eu fazer. O bolo é para eu comer (hum… isso é bom!).

Você pode observar que, nos exemplos acima, o cara que faz a ação de ler, de fazer, de comer, de corrigir e de pagar sou o EU EU. Eita sujeitinho trabalhador! Na verdade, ele é o sujeito de cada oração. Lembre-se que é o sujeito quem pratica uma ação.

E por que o “mim” só recebe? Observe: a bronca é para mim, o brinquedo é para mim, os doces são para mim. Se o presente é bom o ruim, não importa. É sempre para mim!

Ainda não entendeu? Então, observe a frase abaixo:

É para mim estudar?

Na frase, como há um verbo (estudar) exigindo sujeito (alguém vai estudar), devemos colocar um pronome que funcione como sujeito, um pronome pessoal do caso reto – eu, tu, ele, ela, nós, vós, eles, elas. Os pronomes oblíquos tônicos – mim, ti, si, ele, ela, nós, vós, eles, elas (pronomes que só se usam com preposição) – funcionam como complementos.

Então, se não houver verbo à frente, deve-se usar mim ou ti. E se houver verbo exigindo sujeito, eu ou tu (você).

Portanto, a frase apresentada deve ser corrigida: Era para eu estudar?

Mas você deve estar pensando: como vou saber se é sujeito ou não? Então, faça o seguinte: use 

eu ou tu antes de um verbo no infinitivo (verbo terminado em ar, er ou ir), exceto quando surgir um verbo de ligação (continuar ser, estar, parecer, ficar, permanecer,) junto de predicativo do sujeito ou os verbos custar, bastar, restar e faltar.

 

Exemplos:

Foi difícil para mim aceitar a situação.

Custou para mim entender a matéria.

Basta para mim estar a seu lado.

 

 

Se tudo o que foi exposto até aqui parece pouco prático na hora de decidir se é 

eu ou Eu faço ou mim faz? Talvez o Tarzan (lembram dele?) responda que é a segunda alternativa, mas nós não somos o Tarzan.

Então, na hora de decidir, faça a pergunta mágica: eu leio ou mim lê ? Se eu leio, então o livro é para eu ler.

 

 

 

Mas, atenção! Essa regra só vale para a primeira e a segunda pessoa do singular (eu, tu – mim, ti). Nos outros casos, seja o pronome sujeito ou não, ele será sempre do caso reto. Assim: Ele trouxe o livro para mim, mas ele trouxe o livro para nós.

 

 

 

EXERCÍCIOS

 

 

 

 

 

Selecione a alternativa de acordo com a frase. Justifique s sua escolha.

a) Para mim, estudar é muito importante.

( ) certa ( ) errada

 

 

 

_________________________________________________________________________

 

 

 

b) Ela deu um presente para mim.

( ) certa ( ) errada

 

 

 

_________________________________________________________________________

 

 

 

c) Maria ligou para eu.

( ) certa ( ) errada

 

 

 

_________________________________________________________________________

 

 

 

d) Esse biscoito é para mim? Para mim comer?

( ) certa ( ) errada

 

 

 

_________________________________________________________________________

 

 

 

e) Se era para mim resolver o problema, porque não me disse?

( ) certa ( ) errada

 

 

 

_________________________________________________________________________

 

 

 

f) Está complicado para mim terminar este trabalho.

( ) certa ( ) errada

 

 

 

_________________________________________________________________________

 

 

 

g) É um suplício para mim ter de enfrentar aquele homem.

( ) certa ( ) errada

 

 

 

_________________________________________________________________________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

11 Respostas

  1. professora muito legal esses exercicios até mais ^^

  2. oi kely gostei muito dessas questoes bjosss

  3. Professora achei muito interessante esses exercicios pois relatamos ali a linguagem que usamos usa no dia-a-dia.

    Beijos
    Sou do 7ºC nº28

  4. Tarefa de redaçao a minha descriçao física e picicológica.

    Eu sou assim: tenho olhos castanhos,cabelo castanhos,sou de cor clara,cabelos enrrolados etc…
    Já agora minha descriçao picicológica é: sou legal,sou uma boa amiga,eu tenho certeza,não sou chata,não fico largada no recreio minhas colegas sempre estão juntas comigo sempre tenho uns paquerinhas mas não é namoro não viu etc…

  5. Tarefa de redaçao a minha descriçao física e picicológica.

    Eu sou assim: tenho olhos castanhos,cabelo castanhos,sou de cor clara,cabelos enrrolados etc…
    Já agora minha descriçao picicológica é: sou legal,sou uma boa amiga,eu tenho certeza,não sou chata,não fico largada no recreio minhas colegas sempre estão juntas comigo sempre tenho uns paquerinhas mas não é namoro não viuetc…

  6. professora fiz as respostas no caderno sou a giovana nº16 6ºc

  7. achei muito legal o texto professora e agora acho que não vou mais esquecer dos pontos finais etc… bjs kelly te adoru mt até sexta-feira tchau !!!!!!!!!!!!!

  8. Muito interessante professora

  9. professora ai vai o nosso trabalho sobre o governo lula!

    Bolsa-família: muito barulho por nada

    O Programa Bolsa Família (PBF) é um programa de transferência de renda com condicionalidades criado pelo Governo Lula em 2003 para integrar e unificar ao Fome Zero os antigos programas criados no Governo FHC. O PBF é tecnicamente chamado de mecanismo condicional de transferência de recursos. Consiste-se na ajuda financeira às famílias pobres, definidas como aquelas que possuem renda per capita de R$ 70,01 até 140,00. A contrapartida e que as famílias beneficiárias mantenham seus filhos e/ou dependentes com frequência na escola e vacinados. O programa visa reduzir a pobreza a curto e a longo prazo através de transferências condicionadas de capital, o que, por sua vez, visa quebrar o ciclo geracional da pobreza de geração a geração.
    Porém isto caiu em contradição quando houve um reajuste dos benefícios da Bolsa-família. O aumento de 9,68% decidido pelo governo, a vigorar a partir de setembro (2005), desencadeou uma onda de ataques à decisão. De generosidade com o bolso alheio à falta de provisão para fazer o bem com o dinheiro dos outros, o governo está sendo malhado como um Judas fora de época.
    Um estudo divulgado pelo PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) mostra que a Bolsa Família é um programa que contribui para reduzir à desigualdade social no Brasil. A pesquisa comparou o programa brasileiro a iniciativas similares em outros países, como as Oportunidades (México) e Chile Solidário (Chile). O pesquisador do Centro Internacional de Pobreza, ligado ao PNUD, Rafael Osório, disse em entrevista à Conversa Afiada nesta quarta-feira, dia 19, que a Bolsa Família ajudou a reduzir em 21% o Índice de Gini.
    É muito mais vantajoso para o governo simplesmente oferecer uma renda mensal aos necessitados que é a maioria da população e garantir o seu mandato, do que usar este dinheiro para melhorar a situação financeira do país, como por exemplo, criando indústrias alimentícias gerando empregos e baixando os custos dos alimentos. Com isso fazendo com que melhore a renda do país. Porém com este programa eles incentivam a população a se acomodarem a renda oferecida pelo governo.
    E o que a população acha desse sistema?
    – Este negócio de esmola não está com nada! Isso patrocina o povo de não ir trabalhar… Ainda mais esse povo que com qualquer 30 reais acha que ta bom… Que não precisa trabalhar… Isso é ilusão pra enganar o povo inocente, sem cultura e ingênuo. – comenta Fernanda.
    – Ao invés do governo “doar” cestas básicas, devia roubar menos, gastar menos, trabalhar mais e melhorar os salários, para que o povo pudesse COMPRAR sua cesta!

    Seria mais digno pra todos! – diz Regina.
    – Sou contra, porque acho que o trabalhador não gosta de esmola. Seria muito mais digno que ele pudesse ganhar um salário decente para sustentar sua família e que pudesse viver com dignidade. Acho humilhante esse negocio de bolsa família, vale transporte, cheque-cidadão,sou contra tudo isso. – diz Anne

    *obs.: as imagens nao entram.

    alunos:
    André Cerosi nº01
    Letícia nº12
    Ana Carolina nº30

    1ºC

  10. É PARA MIM OU PARA EU?

  11. Professora ,muito interessante suas explicações e exercícios!
    Até mais

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: